Opiniões

“É Demais para Mim” de Eleanor Gaggero

Autoria: Eleanor Gaggero
Editora: Editorial Presença
1ª Edição: Outubro de 2014
Género(s): Romance
Páginas: 160

Link de compra:
Editorial Presença

Sinopse

«Marta tem dezanove anos, vive em Turim e define-se como um patinho feio, sem qualquer possibilidade de redenção. Na verdade, é um facto: não é nada bonita. E a sorte também não está do seu lado. Órfã desde os três anos, sofre de uma doença que, por si só, já é um pesadelo: fibrose quística. A esperança de poder viver uma vida normal é reduzida, mínima. Mas Marta tem espírito, ironia, personalidade. Tudo aquilo que conquistou foi a pulso, e ninguém lho pode tirar. Acima de tudo, Marta não tem nada a perder e adora desafios. E, assim, decide lançar-se numa missão impossível – viver o amor, vivê-lo a sério, não com um rapaz qualquer, mas com o mais giro do planeta: Arturo.
Irresistível, atlético, comprometido. Uma aposta perdida, uma espécie de suicídio da autoestima. No entanto, a vida encarrega-se sempre de nos ajudar quando damos o primeiro passo, e é precisamente este milagre que escapa aos planos de Marta. De um dia para o outro, descobre-se a viver não apenas uma história inesperada, mas uma vida nova, intensa. Uma vida que nunca se permitiu ter e que sempre desejou. Uma vida que, contudo, poderá terminar de um momento para o outro e destruir todos os sonhos. Será demais para ela??»

(Este livro foi-me oferecido pela Editora, a quem deixo um agradecimento especial)

Apreciação

Capa: ★★☆☆☆
Edição: ★★★★☆
Escrita: ★★★★☆
Enredo: ★☆☆☆
Personagens: ★☆☆☆☆
Responsabilidade: ★★☆☆☆
Sentimento: ★☆☆☆☆
Apreciação Geral: ★★☆☆☆

Opinião

Marta, de 19 anos, vive em Turim com os dois melhores amigos, tem fibrose quística e nunca viveu um grande amor. Determinada a mudar este último facto depois de lhe ser traçada uma sentença de morte, começa a perseguir aquele que, para ela, é o rapaz mais giro do planeta, Arturo.

O inicio do livro é promissor — Marta revela uma voz narrativa forte e sarcástica com os seus próprios clichês, prometendo uma irreverência que acaba por não entregar. A sua história remete a uma fanfic mal feita, mais focada na romantização do que propriamente na construção de uma boa história.

Tirando a Marta, todas as personagens são rasas, com uma personalidade que se restringe às suas características mais mencionadas, e existem em função da protagonista, demonstrando um interesse demasiado grande e inverosímil em tudo o que ela faz, mesmo as que não a conhecem. As relações entre elas eram estabelecidas de forma demasiado rápida e superficial, tornando-as pouco credíveis, o que inclui o romance principal, que além de tudo se inicia com um stalking muito romantizado.

A fibrose quística assume um papel secundário na narrativa, aparecendo apenas quando é necessário um foco dramático que coloque a Marta no papel de vítima. O mesmo acontece com a mortalidade, existe um malabarismo com a morte, que se afigura como destino eminente apenas quando há necessidade de inserir algum drama, e que, mais tarde, se atenua com a mesma rapidez com que surgiu.

No geral, foi uma história com pouco sentimento, clichês desenvolvidos de forma irrealista, um clímax que deixa a desejar e um final digno dos piores contos de fadas. Salvam-se a escrita e a personalidade na voz narrativa da protagonista, que foram os únicos motivos pelos quais consegui chegar ao final deste livro.

Não o catalogaria como um Jovem Adulto, talvez mais como uma obra infanto-juvenil por todo o seu surrealismo, indicado para pré-adolescentes que se identificam com este género de histórias.

Sem Comentários

    Deixar uma resposta